segunda-feira, 19 de abril de 2010

MÃO MORTA - É bom. Embora não seja nada que eu ame... É bom.

Vale a pena ouvir.

«Reza a lenda que Joaquim Pinto se encontrou com Harry Crosby, baixista dos Swans, durante um concerto da banda americana na cidade de Berlim, em Outubro de 1984. “Tens cara de baixista”, terá dito Crosby a Joaquim Pinto. No mês seguinte, Joaquim Pinto comprou um baixo e fundou, em conjunto com Miguel Pedro e Adolfo Luxúria Canibal, os Mão Morta. Braga, cidade dos arcebispos e bastião por excelência da direita ultra-conservadora, via assim nascer, por ironia do destino, uma banda cuja postura viria, ao longo dos anos, a afrontar os valores morais e políticos de uma sociedade culturalmente atrasada e na ressaca do salazarismo. Mas a verdade é que a cidade de Braga tornou-se, no início dos anos 80, palco de uma intensa agitação cultural. Afinal, por força da Universidade do Minho, aí sediada, Braga era, e continua a ser, uma das mais jovens cidades do país, em termos de população.
Antes dos Mão Morta, Adolfo Luxúria Canibal e Zé dos Eclipses foram os Bang-Bang, banda que nasceu no carnaval de 1981. Seguir-se-iam, ainda no mesmo ano, os AuAuFeioMau, por onde passaram vários jovens artistas bracarenses. Este projecto aliava a música a outras formas de expressão artística - «Rococó, faz o galo» (espectáculo multimédia de dança, teatro, mímica e música - Abr’83); «Dos gatos brancos que jazem mortos na berma do caminho-de-ferro» (espectáculo em conjunto com Carlos Corais - performance musical a partir de ruídos de comboios - Jul’83); «Labiú e a pulga amestrada» (performance circense - Dez’83.) No carnaval de 1984, Adolfo formou com Joaquim Pinto e Miguel Pedro, os PVT Industrial, um grupo de berbequins e ritmos de teares, tendo sido os primeiros bracarenses a tocar em Lisboa (ESBAL). Mas foi em Novembro do mesmo ano que se deu a formação dos Mão Morta. Joaquim Pinto no baixo, Miguel Pedro na guitarra e Adolfo Luxúria Canibal na voz. Fitas pré-gravadas e programações rítmicas do colectivo.
1985

Estreia ao vivo

Zé dos Eclipses
entra
O concerto de estreia dos Mão Morta teve lugar no Orfeão da Foz, no Porto, a 12 de Janeiro de 1985. Dois meses mais tarde entra para a banda o guitarrista Zé dos Eclipses, passando Miguel Pedro para a bateria. Em Novembro, os Mão Morta saíram do 1º Concurso de Nova Música Rock, do Porto, com o quarto lugar, atrás de Bramassaji, Entes Queridos e AF Gang. Poucos dias depois, davam a sua primeira entrevista, no DN, a Fernando Sobral, para quem os MM eram “indiscutivelmente a melhor banda portuguesa do momento”.
1986

Prémio de Originalidade do RRV

Carlos Fortes
entra
As performances e o carisma de Adolfo Luxúria Canibal fizeram nascer, desde os primeiros momentos, um culto muito especial à volta da banda: «Uma garganta funda que liberta bílis às golfadas, que espanca os espectadores com as palavras, que os excita e irrita, que conta histórias de sexo, de crime e de repressão» (Blitz 110, 09/12/86, António Pires acerca de Adolfo Luxúria Canibal no RRV). E o culto foi crescendo. Em 1986 ganharam o Prémio de Originalidade do III Concurso de Música Moderna do extinto Rock Rendez-Vouz. Neste ano estreou-se Carlos Fortes na 2ª guitarra.
1987

“Mão Morta” (K7)

Gun Club
Através de votação na saudosa Rádio Universitária Tejo, os Mão Morta foram considerados, no início de 1987, a “Melhor Banda Nacional sem Registo em Vinil”. “1º de Novembro” era utilizado na banda sonora do filme “Um Dia no Bairro”, de Paulo Miguel Fortes e em Agosto era editada, na Malucos da Pátria, “Mão Morta” (K7). A fama entretanto granjeada abriu-lhes a porta para a participação no evento realizado no cinema Império, onde estiveram na mesma noite, os Gun Club. As primeiras partes de bandas estrangeiras constituem, aliás, uma parte invejável do currículo dos Mão Morta. Nick Cave & The Bad Seeds. Wire. Young Gods. Jesus & Mary Chain. Rollins Band.
1988

Ama Romanta

O 1º álbum:
“Mão Morta” (LP)

Wire

Nick Cave &
The Bad Seeds
«Mão Morta» (LP), o primeiro álbum, foi editado em Julho de 1998 pela editora de João Peste, dos Pop dell’Arte, a Ama Romanta. Deste registo, obrigatório em qualquer lista de melhores álbuns nacionais de sempre, fazem parte temas que ainda hoje tem presença assegurada em qualquer concerto: «Oub’lá», «Sitiados», «Até Cair», etc. A 29 de Outubro, por ocasião do lançamento do jornal LP, os Mão Morta abriram para o concerto dos Wire, mas o melhor viria dois meses depois, a 16 e 17 de Dezembro, com as primeiras partes de Nick Cave & The Bad Seeds em Lisboa e Porto, respectivamente, tendo então Mick Harvey deixado a banda envaidecida com os comentários elogiosos que teceu.
1989

“À Sombra de Deus”

A facada
Foi com «1º de Novembro» que os Mão Morta participaram em «À Sombra de Deus - Braga 88», colectânea de bandas locais, testemunho essencial da afamada movida bracarense, editado em meados de 1989 pela Câmara Municipal da terra que os viu nascer. Mas, para os Mão Morta, o ano de 1989 ficou marcado por um concerto do Rock Rendez-Vous, dias antes (2/6/89), em que Adolfo Luxúria Canibal infligiu a si próprio um golpe na perna com o auxílio de uma faca. «Quando me cortei num concerto dos Mão Morta, fui longe demais, era uma faca nova mais afiada do que eu pensava. O ambiente na sala estava pesadíssimo, havia necessidade de aplacar um bocado as coisas e eu pensei que o sangue poderia acalmá-los… o sangue assusta. Afinal o sangue acabou por ser demais, e aí é que eu vi que tinha feito asneira» (Adolfo Luxúria Canibal, Académico, Mar’93). O sucesso mediático começava então a trazer alguns amargos de boca a uma banda que sempre se manteve ao largo de uma carreira dita profissional. «Estou farto da música. Estou a pensar sair dos Mão Morta em Novembro ou Dezembro (…) Estou farto de tocar ao vivo. É uma das razões porque os Mão Morta têm problemas. Tocamos todos os fins-de-semana e não gosto.» (Adolfo Luxúria Canibal, Blitz 250, 15/08/89)
1990

Sai Joaquim Pinto
Entra Zé Pedro

Entra António Rafael

Young Gods

O 2º álbum:
“Corações Felpudos”
O baixista Joaquim Pinto, um dos fundadores dos Mão Morta, deu o seu último concerto com a banda a 6 de Janeiro de 1990, no Rock Rendez-Vous. Para o seu lugar entrou José Pedro Moura. Neste ano os Mão Morta fizeram a abertura do concerto de Young Gods, no Cinema Alvalade, em Lisboa, naquela que foi a estreia de António Rafael nas teclas. O segundo álbum, «Corações Felpudos», saiu em Setembro de 1990, com selo Fungui. As influências dos Swans pareciam agora estar mais distantes - a guitarra de Zé dos Eclipses traçava o rumo sonoro dos Mão Morta através de temas mais melódicos como «Ventos Animais», «Desmaia, Irmã, Desmaia» e «Facas em Sangue».
1991

O 3º álbum:
“O.D., Rainha do Rock & Crawl”

Sai Zé dos Eclipses
Entra Sapo

Em Junho de 1991, envolta em alguma confusão, deu-se a edição de «O.D., Rainha do Rock & Crawl», através da Área Total, editora da Guarda. Aqui o rock de guitarras a rasgar re-assumiu um papel de destaque, como facilmente se constata ao ouvir, entre outras, «Charles Manson» e «Quero Morder-te as Mãos». Do álbum, ou melhor, mini-álbum, fez ainda parte uma versão de «Bófia», desde sempre o tema mais pedido pelos fans durante os concertos, apesar de nunca haver sido editado até à altura - ainda assim, esta versão era muito diferente da original. Este foi o último álbum a contar com a participação de Zé dos Eclipses, que estava de abalada para os Estados Unidos. Para o seu lugar entrou o ex-Pop Dell’Arte Sapo.
1992

Edição internacional

Jesus & The Mary Chain

O 4º álbum:
“Mutantes S.21”

No início de 1992, «O.D., …» foi editado na Alemanha, pela editora Big Noise, e distribuído na Austria, Suíça e Checoslováquia, pela Semaphore. Em Abril os Mão Morta fizeram a primeira parte dos escoceses Jesus & The Mary Chain, num concerto marcado pelo atraso de Zé Pedro Moura pelo Casal Ventoso. Durante este ano os Mão Morta dedicaram-se à gravação de «Mutantes S.21», o quarto álbum, que viria a ser editado em Dezembro, num regresso à editora Fungui, depois dos problemas com a Área Total.
1993

“Budapeste”

Entrada no Top

Teatro Circo

«Mutantes S.21»: um diário de viagem por nove cidades. Com temas fabulosos como «Lisboa», «Barcelona» e «Amsterdão», por exemplo, o grande hit deste álbum seria «Budapeste» que transportou os Mão Morta para patamares da fama a que não estavam habituados. Curiosamente, em dado concerto, Carlos Fortes viria a introduzir o tema como “uma canção para atrasados mentais”. Mas a verdade é que «Budapeste» era o videoclip mais pedido no programa de televisão “Vira o Vídeo”, apresentado por Zé Pedro, Xana e Henrique Amaro, e desde logo recebeu um importante e decisivo airplay nas estações de rádio, não sendo portanto de estranhar a entrada do álbum para o 28º lugar do top nacional de vendas, em 11 Fevereiro de 1993. O sucesso foi tal que até a revista “Teenager” publicou um poster da banda. Em Maio de 1993, «Mutantes S.21» foi alvo de reedição (limitada a 500 exemplares, acompanhada por uma banda desenhada). A ‘digressão’ associada ao álbum proporcionou concertos que ficaram na história da banda, como é o caso do concerto em Braga, no Teatro Circo, tendo a sala ficado semi-destruída (nem o enorme candeeiro resistiu!). «Os Mão Morta não têm culpa nenhuma da destruição do Teatro Circo, ninguém tem culpa, são coisas que acontecem e o Presidente da Câmara mostrou-se perfeitamente compreensivo… aliás disse que preferia ter o Teatro Circo destruído, mas depois de uma enchente do que ter o Teatro Circo eternamente vazio» (Adolfo Luxúria Canibal ao Grande Delta, Xfm, 08/04/94).
1994

Homenagem a António Variações

O 5º álbum:
“Vénus em Chamas”

Homenagem a Zeca Afonso

No início de 1994 foi editada a colectânea «Variações - As Canções de António», onde os Mão Morta participam com uma versão de «Visões - Ficções (Nostradamus)». O sucesso obtido com «Mutantes S.21» ofereceu-lhes a hipótese de virem a assinar por uma multinacional, a BMG, o que aconteceu em Março de 1994. O primeiro de dois álbuns com selo BMG foi «Vénus em Chamas», que esteve para se chamar «Fátima Radical (Bailarina, 22 anos)», editado no mesmo mês. Por muitos considerado o registo mais desequilibrado em toda a discografia dos Mão Morta, tal não impediu, à semelhança dos álbuns anteriores, de vir a ser classificado pela imprensa como um dos melhores álbuns nacionais do ano. Destacam-se alguns temas como «Anjos Marotos», «Velocidade Escaldante» e «Cães de Crómio». «Havia uma expectactiva externa ao grupo que esse caminho [do sucesso] fosse continuado e os Mão Morta derivassem para um grupo português normal (…) Houve, de nossa parte, a atitude de o evitar… não interessava nada entrar para uma multinacional e fazer 16 budapestes.» (Adolfo Luxúria Canibal ao Grande Delta, Xfm, 08/04/94) Mas a verdade é que, depois de «Variações - As Canções de António», os Mão Morta voltaram a juntar-se a um colectivo de grupos portugueses normais, desta vez para uma colectânea de homenagem a José Afonso, «Os Filhos da Madrugada Cantam José Afonso», onde participaram com «O Avô Cavernoso», registo galardoado Disco de Platina no próprio dia de edição, que os levaria a actuarem ao vivo no Estádio de Alvalade, para vários milhares de espectadores e, mais tarde, para o país inteiro através da televisão.
1995

The Fall

Sai Carlos Fortes
Entra Vasco Vaz

O 6º álbum:
“Mão Morta Revisitada”

Em 1995, saiu o guitarrista Carlos Fortes, sendo rendido por Vasco Vaz, ex-Braindead. Em Maio, na Queima das Fitas de Coimbra, a banda partilhou o palco com mais um grande nome internacional: os The Fall. Em Agosto, veio a gravação para a BMG da compilação «Mão Morta Revisitada», que assinala o décimo aniversário dos Mão Morta. O álbum reúne os velhos temas da banda, reconstruídos. Os primeiros registos da banda já não se encontravam à venda e, para além disso, o som destes, quer em termos de gravação, quer em termos de produção, não era o melhor - motivos suficientes para a edição de «… Revisitada». «E Se Depois» ou «Sitiados» já podiam ser ouvidos em formato digital. Alguns dos temas nem sequer haviam sido editados, apesar de serem tocados em concertos, como é o caso de «Abandonada», «Bófia» (este numa versão mais próxima da original), «Sangue no Asfalto» e «Chabala». José Fortes, o prestigiado produtor que havia já estado com a banda nos dois álbuns anteriores, foi o responsável pelo excelente som de «Mão Morta Revisitada».
1996

Convite do CCB
«Mão Morta Revisitada» marcou o início de uma nova etapa na carreira dos Mão Morta. Temas como «Bófia» e «Chabala» já não eram conhecidos apenas pela geração do Rock Rendez-Vous. Uma nova legião de admiradores veio juntar-se às caras de sempre dos concertos. A banda também dava mais concertos - 1996 era, até à altura, o ano com maior número de concertos no currículo dos Mão Morta. Em Junho de 1996, sinal de reconhecimento da carreira dos Mão Morta, o Centro Cultural de Belém convidou a banda de Braga a trabalhar sobre poemas de Heiner Müller, a propósito da estreia mundial da peça «Germania 3» do falecido dramaturgo alemão, prevista para Janeiro de 1997.
1997

Espectáculo
e 7º álbum:
“Müller no Hotel Hessischer Hof”

Prémio Blitz
Videoclip de “Chabala”

Paredes de Coura
Rollins Band
«Müller no Hotel Hessischer Hof», peça musical encenada e interpretada pelos Mão Morta, a partir de textos de Heiner Müller, teve a sua estreia a 6 de Janeiro de 1997, no Pequeno Auditório do CCB, repetindo-se por mais duas noites de lotações esgotadas. A peça seria também levada à cena nas cidades de Évora, Braga e Coimbra. Deste espectáculo resultou a gravação de um álbum, «Müller no Hotel Hessischer Hof», editado pela NorteSul, subsidiária da Valentim de Carvalho, e de um vídeo de longa duração que só viria a sair no ano seguinte. Sendo certo que as suas actuações sempre se caracterizaram pela associação da música a elementos dramáticos, o espectáculo encomendado pelo CCB veio mostrar uns Mão Morta ainda mais teatrais. «Tudo partiu da ideia de musicar poemas de Heiner Müller, a que depois se deu um formato com algumas características de um espectáculo teatral e, sobretudo, musical. (…) Descobri uma grande afinidade entre mim (através de Mão Morta) e os universos e as formas de expressão de Müller. Houve pessoas que pensaram que aquelas letras eram mesmo minhas.» (Adolfo Luxúria Canibal, entrevistado na Musicnet). Apesar do álbum não ter algum tema especialmente apelativo que passasse nas rádios como «Budapeste», do «Mutantes S.21», este veio a permanecer durante algumas semanas no top nacional de vendas, o que dá conta da forma como o interesse do público pelos Mão Morta havia crescido nestes anos. No Festival de Paredes de Coura deste ano, que contou uma vez mais com a participação dos Mão Morta, depois do sucesso na edição de 1996, a banda teve as honras de encerramento, em virtude da Rollins Band precisar de tocar mais cedo. Neste ano ainda, referência para o Prémio Blitz’96 ganho por Nuno Tudela, na realização do videoclip de “Chabala”.
1998

O 8º álbum:
“Há Já Muito Tempo que Nesta Latrina o Ar se Tornou Irrespirável”

Queima das Fitas de Coimbra
dEUS e Gene Loves Jezebel

Mergulho no Futuro c/ Blonde Redhead e Unwound
Depois de editado o vídeo de longa-duração «Müller no Hotel Hessischer Hof», um trabalho do realizador Nuno Tudela sobre o espectáculo dos Mão Morta com o mesmo nome, ganhou finalmente corpo um projecto antigo, «Há Já Muito Tempo que Nesta Latrina o Ar se Tornou Irrespirável», que viria a ser o oitavo álbum da banda, baseando-se este no movimento da Internacional Situacionista onde se destacaram figuras como Guy Debord e Raoul Vaneigem. A 8 de Maio partilharam o palco da Queima das Fitas com dEUS e Gene Loves Jezebel. No dia 30 do mesmo mês, a Rádio Universidade do Minho fazia o especial “24 Horas Mão Morta” - um dia inteiramente dedicado ao grupo. Já em Agosto, os Mão Morta viriam a participar num espectáculo integrado no festival “Mergulho no Futuro”, um evento acessório da Expo’98, e para o qual foram convidados pelo norte-americano Arto Lindsay (ex-DNA, ex-Ambitious Lovers, ex-Lounge Lizards, etc.), com Blonde Redhead e Unwound no mesmo dia. Em Novembro, o realizador Nuno Tudela vê ser atribuído ao clip de “Em Directo (Para a Teelvisão)” o Prémio Nacional de Vídeo, na rubrica Melhor Produção.
1999

Coliseu dos Recreios

Homenagem a Xutos & Pontapés

Paris

Arezzo Wave (Itália)

Lux (15º Aniversário)
1999 começou em grande: no dia 7 de Janeiro, um Coliseu dos Recreios cheio recebia os Mão Morta para um concerto onde estes eram os cabeças-de-cartaz - na primeira parte estariam os Belle Chase Hotel -, levando à sala das Portas de Santo Antão os antigos e novos fãs de um grupo que vive neste ano a comemoração do seu 15º aniversário. E se a ocasião era especial, não menos especial foi a preocupação do grupo com o aparato cénico: vários aparelhos de televisão e dois écrans gigantes jorrando lixo televisivo, numa clara transposição dos conceitos teóricos explorados em “Há Já Muito Tempo Que Nesta Latrina o Ar se Tornou Irrespirável”, e um cuidado e intenso jogo de luzes, elementos que ajudaram à concretização de um espectáculo carregado de violência sonora e visual, na melhor tradição dos Mão Morta.
Ainda no mesmo mês, saiu a colectânea “XX Anos, XX Bandas”, um tributo aos Xutos & Pontapés, onde os Mão Morta participam com o tema “Mãe”.
1999 é também desde já, o ano mais “internacional” dos Mão Morta. Em 5 de Junho a sala “Les Voûtes”, em Paris, recebia os Mão Morta, Miso Ensemble, Osso Exótico e os franceses PCP na mostra “PluxshshshFeira - Musiques Nouvelles du Portugal”. No início de Julho seria a vez da Itália, com dois concertos no Arezzo Wave Love Festival.
Em Setembro, a RTP dava início à exibição de “O Dragão de Fumo”, série televisiva rodada em Macau, realizada por José Carlos Oliveira, onde Adolfo Luxúria participa como actor e para a qual os Mão Morta contribuem com a sua música.
A comemoração do décimo-quinto aniversário teria lugar a 9 de Dezembro, no novo clube lisboeta Lux, que encheu para ver o grupo.
2000

Homenagem a Rui Veloso

Paredes de Coura
Coldplay, Flaming Lips e Mr. Bungle

Sai José Pedro Moura
Entra Marta Abreu

Sai Marta Abreu
Entra Joana Longobardi
Começava a ser tempo de apresentar um novo disco. Em Abril, a banda iniciou as gravações do nono álbum de originais, “Primavera de Destroços”. Entretanto, mais uma participação num tributo, desta vez a Rui Veloso, homenageado em “20 Anos Depois - Ar de Rock” por vários grupos portugueses, e onde os Mão Morta entram com “Domingo Fui às Antas”.
No Verão, um regresso a Paredes de Coura, para mais um concerto no festival minhoto, partilhando neste dia o palco com Coldplay, Flaming Lips e Mr. Bungle, entre outros. Para surpresa de alguns, era Gonçalo Budda, dos Big Fat Mamma, que ocupava o lugar de baixista habitualmente reservado a José Pedro Moura. José Pedro, DJ residente no Lux abandonava o grupo nesta altura, tendo sido substituído por uma ex-Voodoo Dolls, Marta Abreu. Mas Marta acabou por ficar pouco tempo na formação e em Novembro é outra baixista das Voodoo Dolls, Joana Longobardi, a substituí-la.
2001

O 9º álbum:
“Primavera de Destroços”

Madrid

Aula Magna

Prémio Carreira Blitz

Prémio TMN/Top Clip
“Cão da Morte”

Ilha do Ermal
Marilyn Manson

Carviçais Rock
Napalm Death
Depois de uma passagem de ano com um concerto em Braga, o ano de 2001 só começaria propriamente para os Mão Morta em Março, com “Primavera de Destroços” a ver finalmente a luz do dia. A edição do nono álbum abria as portas ao grupo para um apreciável número de concertos neste ano (o melhor de sempre), com especial destaque para as duas apresentações ao vivo em Madrid e uma outra em Lisboa, na Aula Magna, a qual ficaria gravada para ser editada meses depois, já em 2002, numa edição especial de “Primavera de Destroços”. Mas 2001 não foi apenas o ano em que os Mão Morta pisaram o palco um maior número de vezes. O jornal Blitz, na sua cerimónia actual de entrega de prémios, viria a consagrar os Mão Morta com o Prémio Carreira 2000, colocando o grupo ao lado de grandes nomes da música portuguesa como José Mário Branco ou Sérgio Godinho. Voltando a tocar numa entrega de Prémios Blitz, os Mão Morta apresentaram-se ao público com convidados especiais, o grupo de percussões Tocá Rufar. Também neste ano, e por ocasião dos Prémios Nacionais de Vídeo TMN/Top Clip, o videoclip de “Cão da Morte”, realizado por Tiago Guedes de Carvalho, foi distinguido com o galardão referente à “Melhor Realização”. No que diz respeito à partilha de palcos com grupos internacionais, os Mão Morta tiveram Marilyn Manson (Ilha do Ermal), Napalm Death (Carviçais Rock) e Sneaker Pimps (Queima das Fitas de Coimbra) como companhias mais sonantes.
2002

Edição especial de “Primavera de Destroços”

Carícias Malícias Tour

Prémios Blitz:
Grupo Nacional do Ano
Melhor Álbum Nacional

Os ventos adversos, que José Mário Branco cantava, começaram a soprar ainda mais forte, com a crise económica a chegar à indústria do espectáculo. Não tivessem os Mão Morta arregaçado mangas e desenhado eles próprios um circuito de bares por onde viria a passar, nos últimos meses do ano, a “Carícias Malícias Tour”, e poucas oportunidades teriam para pisar o chão de um palco. Assim baptizada para ilustrar a proximidade desejada com o público dos bares e, simultaneamente, a aventura de desbravamento de um circuito inexistente, a “Carícias Malícias Tour” levou-os a treze localidades espalhadas pelo Centro e Norte do país, terminando com mais um magnífico concerto no Hard Club, em Gaia, embora o encerramento definitivo viesse a ocorrer já em 2003, com um concerto no Auditório da RDP, transmitido em directo pela Antena3 e gravado para posterior edição. Mas o ano de 2002 trouxe outros pontos de interesse à história dos Mão Morta, a começar pela edição especial de “Primavera de Destroços”, acompanhada de um CD gravado ao vivo na Aula Magna, no ano anterior. E, uma vez mais, houve prémios Blitz a serem atribuídos aos Mão Morta: Grupo Nacional do Ano e Melhor Álbum Nacional. Também a revista Raio X lhes atribuiu o prémio para Melhor Banda na Categoria Pop/Punk/Rock.
2003

O 10º álbum:
“Carícias Malícias”

Preparação de “Nus”

“Estilhaços”

Enquanto se preparavam para lançar o novo disco, “Carícias Malícias”, resultado, como já se viu, do derradeiro concerto da digressão que teve o mesmo nome, os Mão Morta começavam a sentir a falta de um novo álbum de originais. “Nus”, o sucessor de “Primavera de Destroços” começou, assim, a ser preparado em Abril de 2004, no debute de um processo que teria desenvolvimento pelo ano fora e pelo ano seguinte, na Casa do Rolão, a habitual sala de ensaios do grupo, no centro de Braga. Em Setembro, o Expresso incluiu Adolfo Luxúria Canibal, que neste ano lançou o seu compêndio de textos “Estilhaços”, na lista “As 50 Personalidades Mais Importantes da Cultura Portuguesa.»
(TRANSCRITO)

Mão Morta - Novelos de Paixão


DISCOGRAFIA quase COMPLETA:

Pesadelos de Peluche_2010

01. Novelos da Paixão
02. Teoria da Conspiração
03. Paisagens Mentais
04. Biblioteca Espectral
05. Tardes de Inverno
06. Como um Vampiro
07. Penitentes Sofredores
08. O Seio Esquerdo de R.P.
09. Fazer de Morto
10. Metalcarne
11. Estância Balnear
12. Tiago Capitão

DOWNLOAD

Maldoror_2008


(INDISPONIVEL)

Nus_2004


DOWNLOAD

Carícias Malícias_2003


DOWNLOAD

Primavera de Destroços_2001


DOWNLOAD

Há Já Muito Tempo Que Nesta Latrina o Ar se Tornou Irrespirável_1998


DOWNLOAD

Müller no Hotel Hessischer Hof_1997


DOWNLOAD PART1
DOWNLOAD PART2

Revisitada_1995


DOWNLOAD

Venus em Chamas_1994


DOWNLOAD

Mutantes S.21_1992


DOWNLOAD

O.D., Rainha do Rock & Crawl_1991


DOWNLOAD

Corações Felpudos_1990


DOWNLOAD

Mão Morta_1988


DOWNLOAD

Mão Morta(Ainda em K7)_1987


DOWNLOAD

Mão Morta - Anarquista Duval

2 comentários:

Mão Morta disse...

Hoje, às 21h30, conversa com os Mão Morta na Fnac do Colombo.

http://cultura.fnac.pt/Agenda/fnac-lisboa/fnac-colombo/2010/4/2/a-conversa-com-mao-morta/?searchterm=M%C3%A3o%20Morta

Os Mão Morta no Twitter: http://twitter.com/maomorta

Sério Baralho Simpson disse...

Obrigado pela visita e pela informação.